Seguidores

17 de jun de 2007

É uma lâmina entrando no pescoço


Sinto que fui enganado por mim.
Eu fantasiei.
Criei ilusões.
Aumentei migalhas.
Fiz muito mais colorido a vida cinza.
Tentei forçar.
Tentei esperar e crer em mudança.
Olhei pro lado.
Virei a cara para a verdade dura.
Não adiantou tentar ser perfeito para os olhos quem não vê.
Coração que prefere a dor.
Não gosto de comer da dor.
Desde o começo errei, e por outro erro errei mais.
Uma realidade distorcida para aliviar a dor das chagas e feridas.
Feridas de outro amor, sigo me cortando e pelos meus próprios erros.
Como um suicida eu gostei de ti.
Como um suicida eu quis te amar.
Como um suicida eu me apaixonei por ti.
Um paixão bem doentia, uma relação que eu não soube suportar.
Uma índole que tive sempre asco em segredo e ao mesmo tempo desejo.
Eu sinto vergonha de mim, sinto que fui fraco a fugir da dor por uma mentira.
Insistir em algo dolorido e pouco prazer que não compensa.
O teu falso amor é uma lâmina entrando no pescoço.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.