Seguidores

29 de out de 2010

novo mundo


No castelo perdido da ilusão
há um bosque encantado
cheio de flores
onde as fadas não se escondem
há um caminho de penas
quem levam ao solar

som de pássaros raros
paraíso sem placas
uma rosa dourada ao centro
brumas avermelhadas
ar doce e águas termais
cristais e artesanato

duendes sorridentes a correr
cachoeiras cristalinas
as emoções voam leve
um suspiro um arco profundo

águas são águas de rei
um reino mais feliz
onde não há princesas ou príncipes

a vida sem projeções, sem visões, sem fantasia

Leandro Borges
cruz.amor.ponto......alegria.ponto.ponto
cruz.cruz.felicidade.cruz....ponto..cruz
ponto.paz.cruz.......ponto...cruz.emoção
cruz.afetividade....ponto.cruz.luz.ponto
saude..ponto..cruz..amizade..cruz..ponto
ponto..alegria.ponto.sucesso.ponto..cruz

Leandro Borges
Estudar as sombras me faz conhecer a luz.

Leandro Borges
Se a vida fosse justa o veneno do imperialismo mataria os ricos.

Leandro Borges
A pior parte de saber é não por em prática.
Na navalha da vida se reparte: arte e dinheiro.

Leandro Borges

O não-vinho


É um vinho que não tem uva
---------------não tem alcool
---------------não tem fermentação

Não há estado ebrio, sem gosto, sem sabor, sem cor.
Apenas um rótulo e só.

Sem nada de vinho esse vinho tem.


E te oferecem uma prova, um copo, uma questão, uma garrafa, uma traição.


Aí então eu lembro do parreiral, do coletivo, do amassar das uvas, do fermentar orgânico, do método e do simples vinho.

Das noites ebrias, da paixão alimentada, da fome viva, a garganta úmida, do olho vivo, das almas conectadas.

Agora chega o ceifador cortando as uvas, as parreiras, as almas e as crenças.

É lilith, tão biblica e aparentemente tão feita para amar.

Tão independente e tão perfeita.

Leandro Borges

No mesmo céu


Abre as cortinas do céu
cai um violino e um figurino

Sem dotes, nem cordas
sigamos atoas
passam garoas e mais garoas
continuamos atoas
sem cenário e posição
faço política sem ponto e visão
sou eu sem lei
sou eu sem rei

A pampa em sampa em uma só tampa.
convoco tradições
cafés e chimarrões
entre viamão e sorocaba
uma só lei, uma só água
sigo
nos invade, nos segue
corro feito fera, gato; lebre.

Eu canto é tradição:

Sem erva não há caminho.
Em teu chão fui criado
sem revolução e gado
não vive o bom peão
bato o arreio no chão
grito viva o rio grande
grito o rio grande viva!

Sem café caminho não há.
Pois no seu chão fui criado.
Em leite, café e boi.
Não vive o bom criado.
Bato o pé no tabão.
berro viva são paulo.
berro são paulo viva!

Leandro Borges

8 de out de 2010

Espírito Guarani

É uma flor guarani brilhante.
Encanto.
Vento.
Coragem.
Na mata selvagem, corre.

Desperta natureza.
Fala doce e olhar de mel.
Afaga suave.
Olhos de jabuticaba.
Hálito de papaya.
Dedos delicados como a flor do cerrado.

Banhos de riachos.
Gota cristalina.
Cascatas e cachoeiras.
Caiporas e capoeiras.
A beira do rio
Cantam e adormecem.

A beira do fogo
aquecem e despertam.
Seguem o canto do Irapuru.
Nuvens coloridas e passos suaves.
Pés e corações alados.
Voam enfeitiçados; mergulham na floresta.

Leandro Borges

1 de out de 2010

Sueño Selvaje


Miro las parejas y tengo ganas de llorar.
No hay cielo.
No hay mar.

Es oscuro, sin sol y el pecado.

És solo gris y más gris.
Sin razón... sin fin...
Dónde estoy y adónde voy?

No lo sé.

Solamente quiero vivir una vida tranquila.
Mucha hambre... sin, yo tengo mucha hambre de vida.
Son millones de personas perdidas en mi.

Somos iguales o no?

Quiero un nuevo sueño real, tranquilo y selvaje.

Leandro Borges
Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.