Seguidores

29 de abr de 2008

Quebre os seus virtualismos, torne-os e tornesse real!

Leandro Borges

28 de abr de 2008

O verdadeiro amor não joga.

Leandro Borges

23 de abr de 2008

"Não me entrego sem lutar.
Tenho ainda coração.
Não aprendi a me render.
Que caia o inimigo então." (Renato Russo)
Quanto mais eu luto, mais eu tenho sorte.

Leandro Borges

Mãos dadas


As harpas lançam os nossos corações
que vão seguindo pela nuvem da melodia: voar.
Rompida, pela união: duas solidões.
A carta de alforria em mãos dadas, uma voz: amar.

Leandro Borges

10 de abr de 2008

Um céu mesclado dentro de mim


Um céu mesclado dentro de mim... parece não ter fim.
É uma calmaria e alegria que sinto nos teus braços.
Sou teu filho e sinto a simplicidade do teu caminho.

Leandro Borges

7 de abr de 2008

Os bites caminham por mim.

Leandro Borges

5 de abr de 2008

Não quando cheguei, mas sim somente quando abri o olho da mente , aí então estava realmente lá.

Leandro Borges
Muitos foram ao rio, mas somente uma parte atravessou.

Leandro Borges

1 de abr de 2008

Amor - Amores - Furta-cores

As tuas asas foram feitas para irradiar o leve brilhar.
Teus rastros no ar fazem brotar os aromas doces ao ar.
Laranja.
Rosa.
Ar.

Espalha pelo chão as estrelas dos teus olhos e derrama o teu amor.
Queima.
Amor.
Queima.
Paixão.
Queima.
Coração.
Arde.
Flor.
Arde.
Emoção.

Aceita a minha lenha e o meu fogo.

Incendeia.
No esconderijo do teu desejo eu roubo um beijo.

Boca, face, suor, frio e calor.

Há uma borboleta a transitar pela nossa união.
Passeia de um a outro coração.

Milhares reluzem um milhão de cores furtadas das nossas almas.
A cada desabrochar de olhar a cada dia na alvorada te dedicarei.
A cada dia, cada amor, cada cor, somado-te dou os meus amores.
Furta-cores.

Vermelho.
Rosa.
Laranja.
Amarelo.
Verde.
Azul.
Violeta.

Bate o coração multicolorido.

O dia e a noite vêm e vão em paz.

Leandro Borges

Menino


Me mostre a cor do amor, deixa a represa do peito se soltar, arrebentar as amarras e viajar pelo espaço. Me cante uma canção da sua alma, mostre o seu eu mais profundo, me deixe ver o seu coração pulsando, me deixe ver o fluído da sua energia.

Deslize a sua magia em mim.
Me olhe outra vez.
Além dos meus olhos há um menino.

Por um instante eu pude ver nos teus olhos...
Era tão claro e simples...
Me deu um medo e felicidade ao mesmo tempo.
Tive alegria e aflição...

Nos teus olhos tão belos pude ver uma fagulha de esperança.

[Podes aceitar ou não, sou único.]

Sempre quando acordo, nem sempre sei se era areia ou verdade.
De qualquer modo, guardo no meu coração aquele olhar.

Leandro Borges
Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.