Seguidores

1 de abr de 2008

Menino


Me mostre a cor do amor, deixa a represa do peito se soltar, arrebentar as amarras e viajar pelo espaço. Me cante uma canção da sua alma, mostre o seu eu mais profundo, me deixe ver o seu coração pulsando, me deixe ver o fluído da sua energia.

Deslize a sua magia em mim.
Me olhe outra vez.
Além dos meus olhos há um menino.

Por um instante eu pude ver nos teus olhos...
Era tão claro e simples...
Me deu um medo e felicidade ao mesmo tempo.
Tive alegria e aflição...

Nos teus olhos tão belos pude ver uma fagulha de esperança.

[Podes aceitar ou não, sou único.]

Sempre quando acordo, nem sempre sei se era areia ou verdade.
De qualquer modo, guardo no meu coração aquele olhar.

Leandro Borges

Um comentário:

joão pedro wapler disse...

bem bonitinho.

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.