Seguidores

21 de ago de 2011

Guri-Interior

Contemplo o som da minha rua,
as dezenas de pássaros a cantar.
A mais bela melodia de orquestra
fica aquém da bela natureza.

Contemplo a vista interna.
Meus campos, gramas e pastos.
Um paraíso para o guri-interior...
esse que corre pelo pasto.
Contente por mais um céu azul
e o vento da liberdade correndo solto.

Correr com o cavalo, com os pássaros.
Deitar ao sol, ver passarinhos brincando.
Cuidar da natureza amiga e tirar da guaiaca amor e prosperidade.

Leandro Borges - 26/09/10

13 de ago de 2011

A caminho do Uno

Onde o horizonte longe voa leve.
As suaves brisas da nova aurora.
Corre em um grande campo de flores.
Ao abrir das almas iluminam como sóis.
Andando entre cores, fortalecem e crescem.
Simples chuva fina.
Limpa.
Ilumina.
As palavras dos lábios positivam o universo.
Nutre o amor incondicional.
No meditar do coração transmitem ao todo.
Somos no "Eu Sou" um só.
Uno.
Ao evoluir do universo compartilhamos:
Em
---Amor
---------Paz
------------Luz
----------------!

05/06/11 - Leandro Borges

Piscina de Dor

E se o mundo me fosse obrigado a carregar?
Um peso de um mundo que os desumanos nos empurram goela a baixo.
Onde a dor se instala, onde o sorriso é apagado.
Vivemos em uma ditadura de burrocracias masoquistas.

Sofremos dores desnecessárias, como já não bastasse as dores naturais do mundo.
Os Psico-torturadores criaram um mega arsenal de dores artificiais.

Deixem os loucos, não serem loucos.

Deixem a vida ser maior, ser de verdade, ser humana.
Homens criaram maquinas de dor.
Processos de dor.
Caminhos de dor.
Labirintos de dor.

Deixem o amor em paz.
Deixem a vida livre.
Deixem a possibilidade de sonhar e os sonhadores vivos.

O mundo não se pode tornar uma caixa de tortura.
Os que não abrem os olhos para a dor alheia, sofrerão ainda muito.

Onde não se pode ser um, eu sou o respingo de tudo.
O mundo tão cinza, tão cimento, tão asfalto, tão concreto e nenhuma humanidade.

Espero que essa piscina de esgoto não me alague em dor, desespero e depressão.

Leandro Borges - 05/03/11

Garôo-te

Agora que eu percebi a beleza da garôa
ela é linda
leve
à toa.

Partículas
dançam
pontilham brilhantes;
ventos de diamantes.
Peroleiam a minha face
pequeninas multi-estrelas reluzentes.

Porque metade de mim é sentimento
------ metade de mim é garoa.

Sigo
suave
sigo.

Eu molho-te
-- desvairio-te
-- liberto-te
-- garôo-te.

Agora como poucos vagalumes
seguem.

Caem garoas
Garoas caem!

Leandro Borges - 17/07/10

11 de ago de 2011

Flor Carioca

Deusa de Ébano angelical.
Teu sorriso é como feixe de sol
que atravessa as árvores e reluz.
Assim como faz ao me invadir
trazendo luz ao meu sombreado coração.

Teus traços tem o equilíbrio perfeito
me salta o peito e me salta aos olhos.
Estes que tens intenso admirável brilho,
me traga como um imã, preciosa onix negra.

Não encontrei em nenhuma paisagem
e nenhum monumento ou cartão postal
O Rio de Janeiro que tu carregas.

Simpática, doce e bela flor mulata
de essência carioca, que em ti és nata.
Tens no âmago profundo da tua energia
a magia maravilhosa da tua alegria.

Leandro Borges - 15/05/08

10 de ago de 2011

O poder e a beleza da juventude



A força de inovar o mundo, gerar grandes idéias renovadoras.
Crer em um mundo melhor, mais digno, mais justo e igualitário.
Fazer o máximo para passar adiante a idéia e agir em prol da mudança.
A mudança almejada de um mundo melhor de se viver: sustentável.
Ver com alegria todas as outras vidas que na alma sua luz irradia.
Ajudar e colaborar para a convivência sadia entre cada etnia.
Ser simples na sua beleza, viver com calma e prontidão.
A energia vivaz que tem a força e a beleza, como os primeiros raios de sol.
Movimento que traz a alegria no rosto estampada, tem o frescor da vida.
Faz do mundo um lugar mais vibrante, almas dançantes a malabarear canções.
Mergulhar na vida de ponta, lutar por todos os sonhos com todas as forças.
Ser pai da própria liberdade, filho da igualdade e irmão de toda a fraternidade.
Amar com toda a intensidade, sem medo de nada, ser pleno e completo.
Despir-se de todo o mal que faz força contrária, superar o orgulho e egoísmo.
Ser herói a cada dia, acreditar no milagre da vida, acreditar em novos tempos.
Colaborar com graça no olhos, transmitir a paz em cada ação praticada.
Encher os olhos de lágrimas dos pais, de toda a satisfação e gratidão.
Ser rebelde para mudar todas as injustiças do mundo, seja aonde for.
Ser ousado para enfrentar a si próprio, mudar a si mesmo e tornar-se uma pessoa melhor.
Contestar todo o abuso, toda a exploração, toda a canalhice, toda basbaquice e todo o descaso, toda falta de competência e corrupção.
Brilhar a cada dia como um raio de sol, projetando, aquecendo e acolhendo as pessoas.
Encantar-se por cada floreio da natureza, cada luar, cada por de sol, cada gota de chuva, cada arco-íris, cada borboleta, cada flor...
Sentir o cheiro das vozes doces dos anjos a proteger cada jovem, como descrito: poderoso e belo.

Leandro Borges - 22/08/07

6 de ago de 2011

Linda Sinfonia

Unhas de amor, a dor e o prazer.
Tua face, teu o olhar... fulgor!
Nossos rostos colados: enlaçados.

A fúria da paixão toma o corpo
e cada centímetro de seu corpo irradia.
Frágil, bela e voraz.
Como todas as riquezas de cores
tu , doce jovem, se faz.

E que se fez de riqueza de cores
agora nossos amores se pertencem.
Combinação de paixão e excitação
um turbilhão de emoções explodem
nas constelações de nossos corpos.

Teu rosto deitado em meu peito.
Sentado, calmo e calado faço-te carinho.
Um afago nos meus braços e assim
vamos voar, dentre todas estrelas vamos voar.

Teu lindo sorriso nos olhos me encanta a alma.
Tua boca sempre me chama, e lindas curvas dos teus lábios.
Dança das almas num lugar de nossas mentes, a nossa dança.
Quero um cálice, champagne, você e eu e um brinde.

Minha linda rosa, que de mais conhece-la se desabrocha.
Perfume tocante, que entre todas as fitas: cintilante.
Um mergulho para dentro de nossas almas,
nossos beijos, abraços fortes, sorriso no olhar,
palavra macia, beijo vibrante e linda valsa como trilha.

Um véu nos cobre, velas ao redor.
Uma chuva de pétalas e assim nos banha.
Um vendaval de cheiros invadindo o lugar.
Um passo firme e ao meu lado está.

Leandro Borges - 09/12/2005

5 de ago de 2011

A verdadeira doçura

Que o amargo profundo seja doce.
Que toda aridez suja seja doce.
Que o susto mórbido seja doce.
Que o tremor assustador seja doce.
Que a perda inevitável seja doce.
Que a lágrima alentada seja doce.
Que o doce seja doce.
Que a vida role em açúcar.
Que não se salgue.
Que não se azede.
Que não se apodreça.
Seja mel.
Seja melado.
Seja mascavo.
A doçura seja sempre vívida.
Cada porção de viver vire
em caldas em verdade doce.
Que o doce prevaleça.
Seja leve.
Seja alegria.
Seja folia.
O melhor agora eu sei.
Em qualquer rio que flua
hoje e sempre, que seja doce.
O sentir o agora com sabor
genuíno e ainda assim degustar
o doce que pode haver em tudo.

Leandro Borges - 13/10/08

3 de ago de 2011

Copos-de-leite e Rosas vermelhas

O vento me trouxe flores.
São copos-de-leite e rosas vermelhas.
A textura de suas pétalas é sutil.

Transe; estou totalmente paralisado!
Estou parado e sonhando: acordado.
Nada vejo ao meu redor, apenas vejo
flores e a luz dos teus olhos.

Mergulho placidamente em teus braços.
A voz me soa doce e singela, as tuas
cores fazem transcender a tua beleza.

Mesmo em silêncio escuto a tua voz.
Sentimento de querer bem me toma o corpo
ao mesmo tempo que ele voa para perto de ti.
Milhares de estrelas iluminam nosso caminhar.
Eu não quero emergir... Sim, mergulhar!

Leandro Borges - 14/10/2004

São Paulos

É... as vezes me para de tanto correr.
Tem vez que me cansa de tanto morrer.
Me sintoniza em ritmo que não me para.
Outras que me deixa totalmente de cara.

Tem tanto asfalto no meu pensamento.
Deixa tanta laje nesse cimento.
Um bando de gente, um tanto de crente.
Explode.
Carros.
Correria.
Metro de conexões circulares.
Andei em fractais urbanos.
O sorriso mesclado de tuas meninas.
São circenses de tuas crias coloridas.
Fala de todas as artes que podes compor.
Transita de todos os gostos que for.
Rua.
Avenidas.
Alamedas.
Cercado de tanta gente.
E se tudo brilha, a face do futuro me espera.
Quando a brisa me encontrar, nas ruas de São Paulo irei florescer.
Como num canto de um pássaro, vibro bonito e suave.

Sossegado sigo suave.
Sossegado pego essa brisa.

São tantos São Paulos dentro dessa caleira, dessa teia, tela: nação.
As vezes vem um caos bonito, as vezes vem atrito e em outras esquisito.
Quando peguei uma perua, te percebi perto, quase nua.
Eram tantas faces, tanta palavra que pula de tanta rua... tanta rua.

Andando em longas avenidas, é firmeza.
Ando nas feiras.
Bebo um caldo de cana.
Um pastel na feira.
Um sanduíche de pernil.
O sorriso mais bonito, da menina paulistana mais bela.
Era a beleza da suavidade da sua alma que me tocava.
Um amor tão leve e doce, era tudo tão gentil.

Leandro Borges - 29/03/10

1 de ago de 2011

Mulheres que não sabem dizer não

Essa é para todas as mulheres

dissimuladas
patranheiras
traiçoeiras
potoqueiras
embusteiras
esparoladas
mascaradas
farisaicas
vigaristas
impostoras
hipócritas
mentirosas
burladoras
embaidoras
loroteiras
pomadistas
charlatãs
gargantas
cabotinas
tratantes
charlatãs
farsantes
pérfidas
desleais
covardes
tartufas
levianas
infieis
falsas

Pior que uma mentira, é uma mentira descoberta
Eu já sofri muito das maldades do mundo
Não queira-tentar-conseguir me ludibriar
Eu não nasci ontem, meu coração já foi petrificado de mil formas
por tantos enganos e maldades que já arquitetaram contra mim

Tenham a descencia e dignidade de olhar nos olhos e dizer, não
Saibam cortar a face daquele que, não, ele não quer ser enganado
Prefere mil vezes o corte, o fim, o estirpar das relações do que um enrruste

Quero o teu cuspe
Quero o teu vômito
Quero a tua repulsa

O teu desprezo assumido
A tua palavra cortando a minha alma
Diga: não
Diga: nunca mais eu quero ver a tua cara
Diga: para de ligar
Diga: MORRA!

Leandro Borges - 12/09/09

Espelho

Olha pra dentro de um espelho
Vê somente a sombra de uma mulher.
Em contrapartida lembra dela como se fosse hoje.
Era a mulher mais feliz do mundo.
Quem sabe a mais iluda?
No sorriso dela hoje eu vejo a tristeza escondida.
Como no passado, algo dela que só eu desvendo.
Sua sombra tortura as arestas do espelho.
Eu vejo o coração como um globo de espelhos,
Reflete a realidade, mas em muitos fragmentos,
E vivendo em uma sociedade fragmentada... nada mais natural.
Finge sorrir como se fosse o máximo.
Sufoca um grito que a anos gostaria de dar,
Assim como toda humanidade, mas espera.
Já perdeu as contas de quantas mortes teve que passar
Pra ser a pessoa que é hoje.
É preciso licença pra viver feliz.
Vive a dor, sem fugir.

Difícil tarefa de curtir a dor, como se fosse couro.
Triste, mais triste por saber que essa tristeza ela também passou.
Quem sabe ela fugiu?
Eu hoje calejado, conheço a face da dor e da depressão.
Seguir os conselhos dos meus pais?
Eu seria o mesmo cara fraco que era.
Agradeço toda a dor e todo inferno que passei!
Graças a ela, fui forjado em brasa, minha lâmina hoje corta
um fio que resiste ao abismo e o vale das sombras.
Como São Jorge, sigo bravo na escuridão enfrentando meus dragões.
Como um sol, estou preparado pra matar dragões hoje.
Como Arcanjo Miguel sou um guerreiro da luz.
Imagina, se saísse pela primeira porta de saída de emergência...
Sim, estaria como a maioria dos casais desiludidos sem amor.
Agarrar e algemar a primeira pequena que cruzasse no meu caminho...


Pra que? Por que?


Fazer terapia pra negar tudo aquilo que vivi?
Ser idiotizado por um médico/psicólogo terceiromundista?

Negativo, prefiro arrancar o meu coração,
sofrer as dores do mundo e verdadeiramente sofrer e por fim: viver!
Seguir o caminho padrão da maioria?

Fracos...
Os fortes são aqueles que parecem fracos, mas são aqueles com coragem e consciência para não ficar sedado pelas ilusões do mundo.

Sentir todas as dores do mundo e amadurecer.
Aquele que se diz forte, aquele que:
Ignora, mente pra si mesmo.
Ama outro, sim um amor anestésico, projeção de seus anseios: Animus.
Odeia, covardia de não aceitar seu amor não correspondido.
Tenta apagar, como se houvesse tecla delete no cerebro...
Terapia, como se houvesse remédio pra dor... Ilude-se!
Positiva, esconde os momentos ruins e dores escondidas; como lixo orgânico escondido, apodrece mais a cada dia.

É vai tomando esse sedativo... vai!

Como se houvesse remedinhos pra tudo... sociedade programada pra fugir da dor..
Nadando num mar de saídas de emergências... uma droga não, várias.

Amobarbital...
Fenobarbital...
Narcobarbital...
Prometazina...
Secobarbital...
Zotepina...

Somente aquele que consegue não mais projetar, pratica o desapego, conhece a dor, conhece a solidão, conhece a sua sombra, conhece o poder da simplicidade, tem a consciência das suas emoções... Esse pode então encontrar o caminho para o amor.


As estrelas gotejam sangue.
Calafrio.
As feridas piscam forte.
Sobressalto.
O céu derrete.
Inquietação.
O gelo escurece.
Espanto.
O mar se desfaz.
Temor.
As dunas em ressaca.
Terror.

É, nada mais natural.

Leandro Borges - 20/05/09
Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.