Seguidores

19 de jul de 2009

Espelhos


Esse frio que me dói até os ossos
me faz lembrar dos Invernos passados.
No pano é projetado o filme da minha memória
é tanta história, que me perco no labirinto.
Mergulho dentro da caixinha de musica,
uma caixinha de espelhos gigante.
Me vejo cercado dos meus eus,
olho me por dezenas de ângulos,
em muitas ângulos inéditos até o momento,
assim me vejo fora de mim.
Me vejo em terceira pessoa
desapropriado de mim mesmo.
Me vejo como narrador e vejo a minha dor.
Aqui em todos esses ângulos
percebo os diversos filmes que rodam simultâneamente.
E eu era um menino, um adolescente,
E era um nerd, um louco, um trabalhador,
um aventureiro, um sonhador, um apaixonado,
um errante, um poeta, uma ilusão.
Somos tantos e no entanto somente apenas... um.

Leandro Borges

Pelas ruas lá fora


Para na esquina e implode em dor
são veias entupidas, sentimento estancado.
Um grito freiado, uma explosão contida.
Não, nenhum caminho se abre
nas vias desse pesadelo urbano.
É feita de cordas enferrujadas
a harpa que constrói essa estrada.
Leito.
Sangue.
Fluxo.
Um chão banhado por um mar de sangue.
As cordas do mar alcançam a praia.
Esse mar não da pé nunca.

Eu te expliquei que nem todas batalhas
são vencidas, mas também morre aos poucos
quem mata.

O coração cheio de espinhos ferozes,
escuto vozes na canção da memória.
Era uma estória antiga, de uma menina negra
que não tinha o que comer.
Os porões da parte velha da cidade gritam até hoje...

Eu gostaria de resgatar a pureza de um sorriso de criança,
a vida me deu essa ferida e já não posso mais sorrir...

Sabe meus sonhos hoje não há mais nuvens, mas há demasiado cimento...

Por que no meus olhos não consegue ver felicidade?

Quem sabe ela foi passear...

Leandro Borges

18 de jul de 2009

Legião Feminina


A insolitude de uma vida projetada.
São peças de uma vida criada pela
soma dos absurdos dos sonhos.

Uma soma de sonhos reprimidos de todas
as mulheres da tua família, geração à geração.

Agora tu, a descendente de toda essa árvore
queres vingar toda essa legião feminina?

Quem paga o preço? O teu filho também
não será pai de uma nova geração de mulheres?

Se pender a balança pra o teu lado, também
não vês que será em ti que, ao girar do mundo
cairá de volta em ti as dores desse mesmo mundo?

Toda mulher merece uma vida com os pés na terra,
desde que essa terra não soterre o pai da sua neta.
Assim como todo homem merece o mesmo.

Leandro Borges

10 de jul de 2009

A chuva das más águas


Eu me lavo em lágrimas!
E o que é que tem porra?
Sim porque as lágrimas são minhas, e de mim eu mesmo entendo!
Homem é aquele que chora e chora em público; sangra e vive.
Sim porque eu sempre ouvi essa asneira de vozes femininas: "homem não chora!".

Quer saber?

Vão tudo se tratar com essa merda de machismo reprimido e não admitido.

A mulher mais interessante que conheci foi aquela que admitiu que muitas delas tinham
Essa merda de machismo incrustado na alma.
Essa realmente era honesta e inteligente.
Era digna de uma conversa franca sobre gêneros.

Deixem as águas de ares rolarem,
Despertem para o comportamento condicionado
E refletido de geração a geração.

Deixe com respeito o meu pranto rolar,
O meu peito desaguar a dor em notas gris.
Explode a represa do meu coração,
Lavo as minhas vestes
Choro, e choro muito,
De pingar tempos e tempos...
Há tempos são os homens que choram.
Outros são os covardes que o fazem escondidos.


Antes de adormecer no leito,
Choro a chuva das más águas.


Leandro Borges
Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.