Seguidores

18 de ago de 2014

Queimo incensos de minha mãe.
Sigo tudo aquilo que ela me ensinou.
Grato Eterno por seus ensinamentos e amor.


6 de ago de 2014

Caos primordial 2.0


Pesadelo de Dalí.
Hades de Gaudí.
Óvulo putrefato.
Espermatozóide aniquilado.
Pata de metal.
Lago hexadecimal.
Rio binário.
ULA carnal.
Chip medroso.
Humor aquoso.
Útero-fake nervoso.
Elétrico feto.
Energia radioativa.
Internet lasciva.
Razões contaminadas.
Latões infectados.
Vísceras alteradas.
Genes configurados.
Asas amputadas.
Corpos derretidos.
Casas amassadas.
Vidros estilhaçados.
Fumaça infinita.
Cybersociedade maldita.
Furações ácidos.
Terremotos globais.
Tsunamis monstruosas.
Meteoros colossais.
Inundações tóxicas.
Vírus imortais.
Bactérias horrendas.
Oceano sangue.
Gritos dantescos.
Cotidianos ionescos.
Tormentas afiadas.
Facas cravadas.
Dores terraquias.
Pólvora verde.
Carne em tonelada.
Água parada.
Pele em fervura.
Carros picados.
Prédios arruinados.
Poeira manto.
Morte nua.
Pobreza crua.
Fomes de alegrias.
Almas canibais.
Doenças cotidianas.
Danças insanas.
Fogo, negro.
Praga de Platão.
Vida em Plutão.
Árvores, submersas.
Gelo devorador.
Podre governador.
Meros senadores.
Ventos corruptores.
Rôbos, carinhosos.
Humanos, mortos.
Televisão à vapor.
Computador à lenha.
Amanhecer em marrom.
Queda de Dumont.
Céu cor de rosa.
Morte dolorosa.
Relógio fritado.
Calmaria mui fria.
Falsete-amor.
Hemorragia de bytes.
Neve brilhante.
Granizo latente.
Ódio colorido.
Música muda.
Face desfigurada.
Absinto de Byron.
Água flosflorecente.
Queda de Debuison.
Terra ardente.
Lava incandescente.
Não, vida.
Sim, ferida.
Cybertrônicos amáveis.
Sinapses abomináveis.
Sonhos digitais.
Devaneios em gás.
Realidade temporal.
Ansiedade abissal.
Sofrimento avassalador.
Hitech criador.
Deus digital.
Angustia oceano.
Sentimento esquartejado.
Alma dilacerada.
Sonda escondida.
Ideais incinerados.
Castelos soterrados.
Ar melado.
Mel áspero.
Aspereza cruel.
Crueldade alerta.
Alerta óbito.
Óbito divíno.
Chacina banal.
Abominação viral.
Crueldade irracional.
Cegos pregos.
Pus solidão.
Plus podridão.
I/O, escarro.
Processador, escarnificador.
Fake-amor.
Silícios carrascos.
Solidões em vácuos.
Vidas simuladas.
Amores emulados.
Sombra do viver.
Esquerda de Günter.
Matrix Lado-B.
Crise de Freud.
Febre tifóide.
Guetos marginais.
Exposições acidentais.
Explosões emocionais.
Descargas mentais.
Ilusões racionais.
Mortes astrais.
Mentiras letais.
Falta pão.
Sobra cão.
Corroí osso.
Aniquila músculo.
Dissolve o cérebro.
Inferno à cima.
Paraíso à baixo.
Olhos cerrados.
Falsas palavras.
Forcas ocas.
Força pouca.
Fala rouca.
Vil nação.
Metal líquido.
Aço lixão.
Ferro torcido.
Material destruído
Máquinas autônomas.
Criança-Robô.
Destruição feroz.
Dança Butô.
Katana algoz.
Samurai retrô.
Hashi vintage.
Gueixa vernisage.
Tokyo tablóide.
Fome Andróide.
Tintas comestíveis.
Esculturas embriagantes.
Sons estonteantes.
Luzes famigeradas.
Arenas caladas.
Focos glutões.
Monstros ladrões.
Feras do terror.
Mundo interior.
Heróis liquidados.
Milagres anulados.
Deus avesso!

Leandro Borges
Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.