Seguidores

14 de jun de 2007

Pendengas Incineradas


As portas se abriram
eis que me vejo face a face.
Sinto a liberdade dos caminhos
novos a navegar e desbravar.

Deixarei todas as pendengas
para trás incineradas.
Sou o leão vislumbrando
o horizonte aonde vejo
o pampa: meu chão.

Sei que posso ir sempre mais.
O limite não há para mim.
Tudo está em seu devido lugar.
As trombetas soam e vejo
a luz em frente aos meus pés a guiar.

Vou como pássaro liberto e sigo
as ondas do ar que simbila lentamente.
Minha morada é esta e estamos bem.

Solteiro, porém nunca sozinho.
Assim vou em minha jornada de paz e amor.
Sei que nada sou sem ti.
Sou a criação e ei de honra-lo.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.