Seguidores

13 de jun de 2007

Fluiu


O fluir se deixa fazer no corpo.
Me sinto leve, me sinto natural.
Estou em entendimento
começo a me perceber.

Estou sempre em movimento
as minhas vezes se fazem
os meus pés flutuam
sou livre, leve, astuto.

Cantos entoarei, sei que posso
em cena sinto me: eu 100%.
Sou como passáro que olha o mundo
sabe aonde voa e vai.

Calmaria e tormentas enfrento
medos se revelam e se esfacelam.
Tenho a força e a coragem de enfrentar
vou me aramar e de erros irei aprender.

Quero que o mundo olhe
quero mil ações de bondade.
Vamos ver o mundo novamente.
Espante-se com o mundo: mundo novo.
Tudo é novidade, temos que reaprender.

Impérios e reinados, nada vale formações
a liberdade de cada ser os liberta.
A liberdade despida é bela e formosa forma
tem um ar de vida real, algo que valha.

Os mares tribulam, rufa e ecoa.
Os ares se torna em pedra.
As pedras se tornam em ares.
Os caminhos se tornam estreitos.

Quantas formas de falar: expressão.
Deixe o fluir lhe invadir, flua.
Simples forma de encarar a vida.
A simplicidade está escondida em cada um.
A criança escondida em cada um deve reviver.

Temos o voo em nossas mãos.
Temos a criança em nós mesmos.
Temos o fluir como caminho.
Temos liberdade de escolha.
Força e coragem: consigamos!

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.