Seguidores

9 de jul de 2007

Paleta de mil cores


Trago em minha paleta de mil cores
a tinta do amor que tudo colore.
A tinta da liberdade
quebra todas as correntes e grilhões.
A tinta da paixão
faz disparar a locomotiva do coração.
A tinta do rock 'n' roll
trazendo a euforia.
A tinta do carinho
deixa os afagos para as almas
nos seus ninhos.
A tinta do cantar
me dá na boca a cor melodiosa.
A tinta da chuva
inunda os meus pensamentos.
A tinta do pulsar
dos nossos corações colados.
A tinta da grama
do verde vivo que me salta os olhos.
A tinta do coração
uma orquestra em carne viva.
A tinta do suor
são os frutos do nosso amor.

São cores, são sabores que brotam.
É tudo tão colorido, tão belo e real.
Faz chuva, faz sol.
É sempre dia.
Tenho a paz de todas as "não-guerras".

Sigo bonito de alma.
Prefiro o contemplar interior.
Conhecendo o que me move
sigo assim placidamente.
Contente.

De tanto andar
espero que saiba agora aonde pisar.

Que o momento seja completo.
É a esmeralda dos teus olhos
que vou guardar pra sempre.

A magia do pulmão inflado
cheio do sopro da vida.

Leandro Borges - 09/07/2007

"De um gênio não compreendido
podemos torna-lo o mais tolo."

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.