Seguidores

9 de jul de 2007

Dia negro


Eu vejo uma escuridão hoje dentro dela. Há uma sobra na sua alma. Algo que se alagou pela negligência do amor. Negou o colorido da vida e ficou com o negro. Ou estou errado é apenas um modo diferente de ver a vida. Ver ela pedra. Concreta. Nada de cores. É tudo cinza mesmo. Só sei que eu não nasci para pedras. Preciso das cores das flores. Dos luares das almas calmas. Ela é por um lado é linda e por outro inteligente. Na verdade ela é feita pra alguém, mas que não é pra mim.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.