Seguidores

8 de jul de 2008

A Porta


Por um vento dissonante, se perde nesse instante a razão.
Torna a olhar ao fundo de si um templo esquecido.
Volta ao centro da vida, se olha no espelho.

Cultiva na alma uma palavra perdida.
Cura a ferida de anos a fio.
O peito aberto, escorre a vida.

Vou trabalhar em madeira, deixarei nela minha marca.
Vou criar um porta larga, de grandes detalhes.
Abrirei a porta para todo o amor entrar
Para toda a felicidade reinar.
Abrirei a porta para todos os feridos,
Darei um prato de comida.
Trarei a paz para quem entrar.
Veremos então juntos o pôr do sol
E então dormiremos em paz.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.