Seguidores

23 de dez de 2007

Derepente estou aqui


Os momentos mais incríveis que passei foram aqueles que meus amigos me acompanharam.
Um dos piores momentos foi certamente onde não havia nenhum deles perto de mim.

Uma folha ainda verde
pousa em meu ombro.
Ainda posso sentir
o cheiro da primavera
em nós e a nos rodear.

Deito no leito de águas profundas
deixo toda sujeira minha descansar.

Descanso ao vento,
me leva por um tempo
para dentro da memória,
me faz rever a história.

Um pétala encontro dentro da tua boca
é tão vermelha quanto o teu ódio.

Eu vi uma estrela em um dia tão nublado
ela me olhava tanto: um olhar calado.

Seria sua a minha alegria, ou seria nostalgia?
Seria minha esta euforia, ou seria agonia?

Tudo que percebo e vejo
é apenas um percevejo.

As ondas do ar levam e movem meu cabelo
ondulando ao ar, fazendo curvas lentas.
Ondas: curtas, leves e simples como um dia de verão.

Toda a poesia de um dia foi morta
pela falta de visão do simples,
do belo, da vida; da harmonia.

As desconexões de nossas vidas refletem em nossa arte,
em nosso carácter, na nossa vida, profissão e amares.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.