Seguidores

27 de out de 2007

Ainda vem


A não hipocrisia fere.
Te deixa total exposto
em carne, osso e pele.

Eu sentia que algo fluía entre os olhos dela e o meu pensamento, era algo insólito.
A barreira dos nossos corpos, rompidas e corrompidas em um ato voraz e atroz.
Era um flutuar de pensamentos, soltos, brincando com as memórias, as nossas comum histórias de vida, sonho e paixão. Era como uma bolha rompida, uma fala ferida pelo constante intervir de insólitas pessoas. A nossa alegria incomodava, ninguém suportava a glória alheia, eram como canibais frustrados e malogrados.

Eu tinha presente em verdade, toda a suavidade na fala e isso, mais do que a própria fala e meus argumentos, agredia asperamente o ego, sisava em carne viva.
Seres acrónicos perseguiam a minha alma radiante, era um universo deles tão distante que não entendiam de onde nascia: tanta felicidade e irradiação interior.

Cantava em seus cabelos, pele e mão as mais verdadeiras melodias de amor, não era piegas falar disso, era permitido. Até que veio sentimento a esterilizar toda poesia que carregava dentro de mim. Esqueci por anos. Até que um beijo mui lento, com efeito como um desfibrilador de almas, partir da pureza virgem emergi das cinzas.

Eu canto aos ventos, liberto os tentos, faço da cantiga antiga a antígua entre os nossos corpos. Como estrelas, mastigo o teu mel, torno o teu fel em flor. Assimilo o teu desprezo, regurgito a tua proposta, vejo o peso do teu desejo, nego o teu calor e escuto imenso fragor do teu coração em deserto.

Suicidas labaredas saem das tuas entranhas, falas enfadonhas! Cansam a minha beleza interior, que se transmuta para terror ao ser embriagada pela tua magoa. Soterrado e sozinho em um mundo sem amor, viajo. Cansado de nadar pela correnteza que insiste em jogar água contra mim. Assim com tanta falta de ver nas pequenas coisas a beleza enorme que existe, toda a minha terra se torna infértil.

Um beijo pode me tornar vivo novamente. (Deus observa)
Espero que o bonde ainda passe.

Leandro Borges

Um comentário:

alice disse...

nunca comentei aqui...tava na hora hora!!
tuas palavras parecem ter o mesmo sentido pra mim..
tmb espero que o bonde passe...

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.