Seguidores

2 de mai de 2009

Universo Particular


A cada pôr do sol sinto um sentimento crescendo dentro de mim.
É uma fome e uma sede forte.
São tempo de um tempo que não em adapto.
Um sorriso de criança.
Uma canção antiga.
Goteja a memória, cada pingo uma gota d'água,
Uma imagem, uma prisão, um ciclo, uma dor.
Volta ao interno reino, horizontes e olhares.
Um sentimento de prisão, de solidão, de tristeza,
Um cinza sem sol, ter os relógios congelados.
Uma alegria não divertida, uma perseguição,
Um julgamento, um inquérito, uma bifurcação,
Um carrasco expondo tentações, conflitos
E feridas não curadas e escondidas na sombra da alma.
Contemplando um deserto imenso...
Um casal que não encontram, um.
Abraço a beira de um grande lago,
Uma madrugada eterna e mui escura.
Uma lua enorme ao horizonte (ou seriam três?) espelhado ao lago.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.