Seguidores

16 de mai de 2009

Mon Coeur


Me deixa falar as coisas do meu coração, mon coeur.
Se cafajeste fosse, traria uma rosa no olhar?
É incrível que quando me falas, as mesmas sensações eu também sinto.
Se colher assim o teu mel, seria como colher uma fruta que ainda é flor.
Não é a toa que as estrelas trepidam
Também não é à toa que elas dançam.

Quando eu olho pro céu, nem sempre eu lembro de ti.
Agora quando sinto meu embebido coração, mon coeur, é inevitável:
Deleite
Aconchego
Regozijo
Arroubo
Encanto
Néctar.

É através da limpidez dos teus olhos que eu quero ver, não da interrogação.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.