Seguidores

1 de mar de 2016

brasil, meu brasil estrangeiro

brasil, meu brasil estrangeiro meu amado caixa dois-eiro vou cantar-te nas tuas tramóias vou cantar as teus vãos castelos de areia. brasil, meu brasil zombeteiro brasil de toda flor roubam o nectar e toda flor brazil, hi tão brazil comemos gloria futebolistica de votar acreditamos na grande mídia somos tão marginais, adoramos nossos sambas imortais. Somos a lâmina e todo desvio. Brasil, é bem brasil sonegado, meu brasil pré-salado. É na salada do nosso orgulho e nossa glória que não temos vergonha de ser brasileiro, não! A gloria é sempre a gloria, como a gloriosa bandeira! Amamos o brasil coxinha ave tão nida paulista. Queremos todo o poder, todo power e todas luzes. Comemos petróleo, somos feliz em simples sorriso. brasil, teu brasil estrangeiro meu amado lava-jateiro, vou cantar-te nas Olimpíadas! Amamos Renan, Amamos a ti Brasil Nação. Vamos andar de mãos dadas na rua, vamos passear. Vamos andar com coleira. Vamos amor, vamos amora? Somos A Onda! Educatos, EDucados, Edukators! Somos o feijão, o arroz e o carnaval. Sambamos no abismo.

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.