Seguidores

21 de mar de 2009

Despedida


Me da as costas e morro.
As costas
Outra vez morro.
As costas novamente
E a morte me beija outra vez.

De tanto morrer
De cada vez acordo menos vivo.
É necrosado o tecido!

Hei de tanto morrer
Vendo só as tuas costas: morrendo...
Tenho medo de tanto morrer
Não acordar mais do pesadelo.

Certeiro.
Fulminante.
Escaldante.

Doloroso.
Mau cheiroso.

Uma centena
De mortes em vida.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.