Seguidores

13 de ago de 2008

Água viva


O olhar aquoso, deixando um rastro.
A casa da minha infância, colorida.
Os dedos e memórias, histórias.
Ao voar somente subia em alegria.
Ao estancar a energia, caía.

Um rastro de gostas de olhar.
Pela lente do interior,
te vejo em outra cor.
Meu mundo desbravado.
Minha vida aberta.
A ferida descoberta,
as portas abertas,
a cura vem pela fé.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.