Seguidores

9 de ago de 2012

Louca, Sorriso e Explosões

Loucura irmã do outro lado do bar
Ébria menina cativante, mesmo distante te sinto
Sem nenhuma palavra te arranco sorrisos
E quanto mais converso, mais quero escutar
E quanto mais concentro a energia em ti mais próximo sinto
Me tira de pescares tantas risadas doces, cenas inusitadas...
Faz tudo que queria fazer e reprimo as vezes...
Tão profundo como docemente louca
Tão falante como sabiamente louca
Tão colorida como simplesmente louca
Se eu sou um fofo, é porque me arranca o de mais precioso em mim.
Se eu sou teu anjo, é porque me cura enquanto te protejo.
Teu sorriso parece meu.
Tua loucura parece minha.
Cada segundo do teu segundo valem mil vezes mais
que quedar com essa
gente:

chata,
sem graça
sem sal
sem cor
sem sorriso
sem sol

Não estou por fantasiar.
Contigo como é agradável, divertido, especial, singular, porra-loca, simples, avoados, conversamos, andamos, teu sotaque de brincadeirinha...

Entraste na memória e pernamece.

Confesso que é estranho sentir tão forte saudade.
Nos embrenhamos e me sinto tão bem contigo.
A tua energia me contamina, é desses olhos que preciso mergulhar.
Não pude responder...
Na despedida foi tãoi impactante, emudeci sem querer.
Eu também gostei muito de ti.
É preciso maid e 24 horas, mais e mais.
Eu quero contigo estar.
O futuro é futuro.

Ao alongar o corpo algo além corpo ultrapassou os limites dos limites.
Deitamos no palco de ilusões.
Nossas troca de carinhos são reais e ao redor chocamos.
E o a vida com sentimento choca, e todos os invólucros ao redor caem.

Não quero chorar.
Eu quero o nosso aleatório sagrado.

O mais forte é o nosso abraço sincero.
Eu quero nós dois.
Vamos?

Somos doidos. E daí?
Vamos?
O mundo vai acabar. E daí?
Vamos?

Vejo a estrada linda do teu sorriso.

Eu devo tá viajando, meu coração tá sequelado ou eu to com saudades, das nossas conversas, dessas trocas, de ideias, carinhos e sentimento.

Só peço não maltrata esse palhaço.
Eu quero te conhecer mais de perto.
de alma.
de coração.
Quando encontro uma rosa, ana, o resto se torna pequenas flores sem importância.

Como é sagrado quando unimos a nossa loucura.

O palhaço chora,

mas chora de alegria.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.