Seguidores

8 de ago de 2012

Íris constelações


É o extenso lago de águas profundas que vejo.
Como se já conhecesse muito bem essas águas: clarão.
São águas claras, então assim vejo até o fundo: coração.
Ao acompanhar a sua vibração aniquilo todos os meus redemoinhos.

Sinto os seus carinhos, afaga-me leve... de mansinho.
Percebo no meu cálice interno o horizonte retificar.
Corria pelos corredores sem fim e parecia não andar.
Ao seguir a bússola de dentro, olho para os lados, e só vejo um portal.
Eu não me assustaria se só houvesse do outro lado esse lago angelical.

É incrível que ao pousar os olhos e mirar as suas águas
vejo claramente a inexprimível revelação escrita na tua íris.
Todas as constelações de todos os céus estão contidas.
Duplo oráculo vivo, é tão vibrante e profundo: flor-de-lis.

É o agora que vejo.
Não me importa o medo, o lugar,
a dor, a solidão, o passado,o futuro ou o desejo.
Mergulho no lago e sei e vejo que é onde devo estar.
[Mesmo que seja por apenas um átomo de tempo.]

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.