Seguidores

8 de ago de 2012

Ela está morta


São épocas.
São músicas.
São épocas na vida tudo parece fazer sentido.

Tudo converge para certas ações.
Parece inutil lutar contra a força
maior invissível que move tudo.

Quando tudo parece cinza, as músicas
estão cinza, as propagandas estão cinza.
O céu fica cinza, o clima entre as pessoas
fica cinza, as ações tornam-se cinza.

Eu realmente não queria ter dito aquilo.
Gostaria de ter sido outro.
Não voltará.
Não voltará!
Tudo roda na minha cabeça, tudo que eu disse pra ti.

Me perdoa?
Me perdoa!?
Agora é tarde demais.
Ela está morta.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.