Seguidores

8 de ago de 2012

Chama-Luar

Onde encontrei o teu, calado.
Veio um sereno frio de doer.
Um luar radiante, tão branca cor
molhava os corpos de luz.
Ver tudo encharcado pelo branco da noite.
Lua cheia.
Cheia luz.
Onde a sereia encontrou o cerrado.
As águas invadiram o sertão.
A lua transborda das tuas águas.
Límpidas cristalinas fabulosas.

Beija o grito da sua luz.

Fogueira de encher os corações
com lenha de cheiro
com som de acalmar.

Fogo, fogueira, lua, mulher.
Vidrados ficam os meus olhos.
Encantados com a chama.
Inflama meu coração aflito.

Beija o grito da sua chama.

Onde a lua transborda luz.
Onde a fogueira transborda calor.

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.