Seguidores

8 de ago de 2012

Apenas uma brisa morta


Acabou mais uma vez.
É triste, sempre acaba.
Alguém um dia me disse que era pra sempre.
Que bobagem...
Sempre acaba.
É um fim pelo fim, sempre fim.
Todos que conheço encontram o fim.
Um fim bem breve.
Um fim com notas fúnebres.
Uns poucos passos antes do abismo.
Por que isso outra vez?
Acaba, assim, sem nem uma palavra.
Pessoas ocas, secas; podres por dentro.
Uma geração de podridão o qual faço parte.
É triste ser o lixo da vida, ser a podridão em si.
Andamos de relacionamento, como lesmas vampiras.
Nojentas, sedentas e sem coração.
Seria mais digno ser um pássaro, buscando um norte.
Hipocritamente ainda alguns casais resistem, e continuam os relacionamentos:
com traição, com mentiras, sem amor e sem vida.
É uma geração inteira que não sabe dar bom dia,
e fala a palavra "amor" como se fosse "bom dia".
Eu gostaria de ser um sapo, que come mosca e coaxa.
Triste é ser um ser que não é animal e nem verdadeiramente humano.
Somos o resto de humanidade que só sobrou o ego.
O lixo do ego, o resto do resto: a soberba.
Gostaria de ser um rato, seria mais digno.
Saber dar valor ao poder da natureza, saber que ela ao menos existe.
E sempre acaba, pro lixo sempre resta o fim.
Final.
Acabou.
Fim.
É só isso.
Apenas uma brisa morta.
Foram palavras largadas.
De tão largadas, deixaram de existir.
Falam tanto de amor, de que me adianta.
Todos falam de seus umbigos tão bonitos.
Eu gostaria de saber como vai a sua irmã, torta, que tanto você esconde de todos.
Humanidade é uma palavra morta também. Tem dias que o relógio não anda, ele raspa em cada número, machuca... sim machuca muito. Nesses dias o tempo não escorre, ele sangra. É tudo tão mórbido que se penso em um coração, ele apodrece ao relento.

Todas as canções de amor, mais uma vez, não fazem o menor sentido.

Leandro Borges

3 comentários:

apaixao-desconceito disse...

e o amor existe?
ou é uma desculpa para que possamos realizar nossos desejos/governar alguém ou negar a própria natureza?
gostei muito da intensidade do pema.

Karen Raquel disse...

Triste e real =/

Monique Martins disse...

Nossa... vc descreveu exatamente como me sinto diante das pessoas e do amor... parece que este não exite, e só habita a frieza nos corações das pessoas. Até os animais demonstram melhor suas afeições do que o ser humano...

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.