Seguidores

8 de ago de 2012

Ao tempo, ao caminhar, ao vento, ao destino, à juventude



Diz ao tempo ficar parado.
Só naquele momento ficar parado.
Enquanto eu eternizo as imagens.
Enquanto eu eternizo as sensações.

Diz ao caminhar nos esperar.
Deixar que o momento seja lento.
Deixar que todo o movimento
escorra por nossos corpos colados.

Diz ao vento namorar o tempo.
Cantar sua linda melodia celestial.
Lançar seu encantamento angelical.
Deixar que o aroma do amor invada os corações.

Diz ao meu destino dançar um samba
que agora na avenida há um novo sonhador
com graça e leveza faz dança,
transforma seu baile, feito em flor.

Diz à minha juventude ao pé do ouvido
que nunca se mude, que nunca me deixe,
que sempre flua sua beleza na minha alma,
que sempre brilhe sua força nos meus olhos.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.