Seguidores

4 de fev de 2012

Leve menina leve


E se essa menina ainda conseguir ver a beleza?
Onde suas mão-fitas voam livres...
Simples.
Colorido.
Leveza.
Andando em um campo a florescer, com o coração bem leve.
Pensamento enebriado e feliz, com esperança de um novo alvorecer.
Admirada pelo verdejar vivo, bailando ao sabor do vento.
Mundo colorido na paixão pela vida.
Uma vida mais vivida, cheia de esperança.
Onde olhares incisivos não habitam.
Escuta as harpas infinitas do paraíso?
Ela é menina pequena, grandiosa na sua simplicidade.
Corre pelo pasto, anda a acarinhar corações.
De que vale o ouro sem a riqueza maior?
Como suas fitas fossem mágicas, onde passa vira luz.
A mágoa vira perdão, a dúvida vira certeza, o peso vira leveza.
A agonia vira glória, a raiva vira bondade, o veneno vira doçura.
Que a sua fé nos leve a sã-loucura de sermos amáveis a todos.
Leve menina leve a dor.
Leve menina leve a tristeza.
Leve menina leve o frio do coração.
Tens o dom, tens o tom e a maravilha de ser menina.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.