Seguidores

25 de dez de 2010

Prenda-Flor

Ao olhar nos teus olhos fiquei paralisado
algo gritava dentro de ti, e não era dor

Te beijar devagar, descobri uma rosa escondida no teu coração
Mudou meu pensamento
Irrigou os meus sonhos
Me propôs um outro caminho

Ao viajar pelo vento eu encontrei um sonho escondido
uma fome nasceu
Criei nova casca e plantei novamente coração inflamado
meu pensamento inflamado em ti passou
e continuo pensando em ti
Que me importa outra

De um porto a outro
Centenas de quilômetros nos separam e eu ainda lembro de ti
e o que encontrei no teu coração

Era pequena, era nova, era flor
tinha a alma no brilho do caminho
cor de cegar olhos
na tua guria eu te via
sincera autêntica feliz

São teus olhos o rio grande
E com os meus eu levo os dois

Olhos de engolir
Olhos, grandes; seios, boca, suave eram os dois

Mulher de parar mundo
Poder de Cleópatra, mulher dos Pampas
És mulher, além Ana
És mulher, além Bibiana
És mulher, além Anita
És mulher, além Evita
És mulher, além Mar

Mulher fronteira do melhor dos dois mundos
Tens a força da beleza e o açúcar de uma prenda-flor

Tens a graciosidade dos pássaros ao sul
És guapa
Cabelos negros-furacão como tal
Cabelos lisos reflexos prata como tal
És de um preço, apreço, presente
És prenda, és mulher que veste em flor

Dança ao toque de gaita
Amo minha terra
Amo as mães dessa mãe-terra

Dança entre matéria-energia
Os corpos em cargas opostas e em unidade
As ondas de átomo
minhas partículas
tuas partículas:
partículas de Deus!

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.