Seguidores

26 de ago de 2009

Engarrafar das Cores


Houve o tempo em que as flores falavam
e o mundo não se resumia a milhões de cores.
A natureza não era muda para os homens
e o sonho existia sem precisar adormecer.
Ou melhor, não era preciso despertar.

Como pode tantos milhões de existência
terem mudado o mundo em um punhado de décadas?
Sorte que nossos corações esteja preservado esse mundo.

Não por acaso, vida explode por todos os ângulos
e a plenitude do mundo não nos é alheia.
Carregamos a bandeira borrada de tantas cores
como um borrar de tudo aquilo que precisa ser dito.

Se um nascer do sol abre as portas de mais um dia
o teu sorriso abre as portas desse mundo de sonho.
Quase em um flerte de pensamento, lembro do momento
exato instante que as nossas almas se tocaram.

Senti tudo aquilo que nunca saberia explicar,
mas o sentir basta e nos traduz plenamente.

Quantas cores cabe nesse sorriso?
Se eu disser: "são 16 milhões..." estaria enganado.
É uma explosão, que não há como medir, está a explodir.
Tende ao infinito e é lá que moram os sonhos,
os mitos, todos os deuses e entidades.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.