Seguidores

1 de mar de 2009

Estrelas Derretidas


as ruas estão fechadas
o céu está escuro e sem vida
tento te olhar nas nossas fotos...
mas só vejo uma profunda lembrança de um passado......
é tão ilusório quanto o furuto
quão infeliz sem ti sou?
o céu não terá cores enquanto a tua íris não vir aqui colorir
meu coração seco não vê mais água
minha garganta rasga entre mais rasgos
sem teu mel tudo se torna áspero e grosseiro
a falta da tua chama me provoca a alma doentia...
quero o champagne das tuas veias na minha
o delírio do lírio do teu coração é que faz pulsar a tulipa negra do meu sangue
verto teu sangue em canção pra ti beber inteira
preciso do teu céu, da tua boca, do teu calor pra ferver o vinho do meu coração
quero que derretas em baixo da minha língua e mostre toda a tua doçura
te espero e sonho contigo para suportar a distância e os dias
sei que tua alma dorme entre plêiades e supernovas
que nosso amor siga embebedado de estrelas derretidas

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.