Seguidores

8 de ago de 2012

Caro Abaeté



Caro Abaeté não entre no seu coração e tranque todas as portas dele.
Veja a chuva a cair sobre as folhas verdes sob um belo céu azul.
Caro Abaeté vem ver comigo o sol nascer tão bonito assim como você.
Vem sair e ver o mundo sorrir aos teus pés e sob as nossas cabeças.
Caro Abaeté és como a chuva e o rio, o sol e a lua, tens a beleza
linda por ser finitude das coisas, o instante e o grande horizonte.
Amigo Abaeté vem ser o filho da tua vida, vem mostrar o mundo quem és.
Deixe o chão do mundo passar pelos teus pés. Tome posse e tento.
Abra seus olhos para o mundo, os olhos do coração, deixe o mundo passar por ele.
Deixe o vento.
Um novo dia que acorda agora lhe acolhe em seus abraços de pai generoso.
Olha a sua volta, por toda parte, a simplicidade plena e silenciosa.
Querido Abaeté olhe outra vez.
Olhe.
Olhe.
Olhe!
Abra todos os olhos.
Sinta, respire o respeito de todo o movimento continuo do girar da vida.
Sorria para o coração.
Seja amigo da canção.
Sonhe.
Cante.
Lute.
Abaeté, meu caro, por favor não se abata,
pois só te fortalece o que não te mata.
Saibas que me és caro.
Saibas que me és raro.
Te tenho guardado no peito como medalha de vida.
Meu amigo Abaeté sejas como és,
sou as tuas asas quando cair.
Meu amigo Abaeté saia de dentro do seu medo,
contigo levo, sinta o teu chão subir.
Sonhe.
Cante.
Lute.
Abaeté és vitorioso mesmo nas derrotas da vida.
Vença a ferida, seja carinhoso com o sentimento.
Se lance ao vento, com os olhos ao horizonte
e deixa a fonte da vida lhe servir um gole.
Abaeté role pela grama ainda molhada pela chuva.
Chuva que é namorada de cada lágrima de alegria.
Abaeté quando sentir o frio do vazio, me chame.
Se um dia não me encontrar e eu no céu estar,
olhe para o teu coração, pois com o Pai estou.
Abaeté porque o mundo corre, ele nos deixa descansar.
Porque o vento é forte e não para.
Pássaro.
Montanha.
Pinheiro.
Ar.
Água.
Terra.
Cada uma:
Amor.
Você é ele.
É Abaeté, é.
A vida é como é.
Caro Abaeté amigo e companheiro, deixe o desejo estradeiro do destino te ser guia.
Sorria para o amor.
Seja nuvem. (Viva nuvem.)
Seja cor. (Viva cor.)
Abaeté, seja como for,
ame a vida como ela é.
Ele te guia.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.