Seguidores

22 de jun de 2007

Sonho mulher


Me diga que não me cativa.
Tenha a audácia de dizer
que não sou seu bem querer.

És bailarina, és infinita.
Brilhante, raro diamante.
Incandescente onda de luz.
Embriaga o ar com a tua beleza.

Os pássaros parecem hipnotizados.
Voam entre o teu corpo: iluminados.
Voas em volta de todas árvores.
Encantadora desliza pelos ares.

Face rosada de fada.
Revelas sobre a areia
o teu sorriso de sereia.

Meu melhor sonho feito em mulher.
São cristalinas as águas do teu banhar.
Lavam o teu corpo branco reluzido ao luar.

Uma pequena condessa.
Delicada ninfa do meu coração.
Pele sedosa e de gestos sutís.

Um cálice de poesia e loucura.
Venha aos meus braços de alma nua.
Flutuas por entre as nuvens de algodão.
Simples e amabilíssima "musa-verão".

O corte na tua gola te renova.
Cunhada em efêmeros estilos.
Criada para brilhar no palco da vida.

Feita de um destilar de emoção e paixão.
Uma praia de compaixão e calmaria.
Traços de menina, traços de mulher.
Gotas de luz orbitam na tua graça.

Classe no teu sabor, forjada pro amor.

Leandro Borges

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Poesya, não burguesia! by Leandro Bastos Carneiro Borges is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at poesyas.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://poesyas.blogspot.com/.